Administração Gestão financeira

Aprenda como garantir capital de giro para empresas

Escrito por Adianta

A organização financeira é fundamental para fazer um negócio crescer. Para isso, é necessário controlar o capital de giro da empresa, pois ele garante a sustentabilidade do negócio e os investimentos no futuro.

Mas como controlar e administrar corretamente o dinheiro em caixa? Neste post, vamos esclarecer possíveis dúvidas sobre o assunto, mostrando 7 dicas que o ajudarão a garantir o capital de giro do seu negócio. Continue a leitura e descubra!

1. Priorize a liquidez

Controle o dinheiro que sua empresa tem em caixa, pois é ele que será utilizado para pagar as contas do dia a dia, como: água, luz, telefone, aluguel, folha de pagamento, entre outras opções. Portanto, evite que esse recurso fique comprometido com investimentos em longo prazo.

Procure aplicar o capital em investimentos de baixo risco que não exijam um tempo mínimo de permanência. Assim, o dinheiro tem algum rendimento e você pode resgatá-lo quando precisar.

2. Acompanhe o fluxo de caixa

Organize os documentos e as contas da empresa. Faça o agendamento das faturas a pagar e monitore o recebimento de dinheiro. O fluxo de caixa deve ser acompanhado diariamente para evitar dívidas com credores e fornecedores.

O gestor também deve monitorar o índice de inadimplência das contas a receber. Caso comece a crescer, é necessário tomar medidas mais assertivas, como cobrar diretamente o cliente, providenciar o cadastro do devedor no SPC ou Serasa e, se a dívida se prolongar, cobrar o valor judicialmente.

3. Negocie preços

Defina os melhores fornecedores e procure manter contato com eles e centralizar os processos de compra. Porém, deve-se evitar depender de um único fornecedor, pois isso pode trazer problemas futuros, tais como ausência de produtos e súbito aumento de preços.

Sendo assim, procure ter mais de uma empresa cadastrada no sistema para realizar o fornecimento de itens importantes. Essa medida também facilita a negociação de preços, porque o fornecedor sabe que tem concorrentes e vai querer oferecer um valor mais baixo para o seu negócio.

O administrador também pode negociar as condições de pagamento, aumentando prazos. Isso permite quitar a dívida com o fornecedor depois que receber o dinheiro do cliente.

4. Monitore as vendas e gerencie o estoque

O gestor deve monitorar as vendas e ter um controle sobre os produtos em estoque. O ideal é manter uma quantia mínima necessária para evitar que o capital fique parado por muito tempo. 

Para isso, é fundamental ter um bom planejamento de vendas, controlando o aumento ou queda. Também é preciso considerar a sazonalidade dos produtos.

Por exemplo: botas são utilizadas durante o outono e o inverno. Então, não é preciso armazenar esses itens no estoque entre os meses de novembro e março, quando faz calor. 

Para entender melhor esse processo, é indicado fazer pesquisas de mercado e utilizar um software que facilite o controle de entrada e saída de mercadorias.

5. Gerencie os pagamentos

Como falamos, procure negociar prazos maiores para o pagamento de fornecedores. Isso permite controlar melhor o capital de giro, garantindo o uso otimizado dos recursos.

Muitas vezes, mesmo que a empresa tenha dinheiro em caixa para fazer pagamentos à vista, compensa aplicar o dinheiro e pagar a conta de forma parcelada.

Assim, o empreendedor consegue manter o capital de giro, utilizando o recurso para as contas básicas do mês.

O gestor também pode adotar medidas para incentivar o pagamento dos clientes, com descontos para compras feitas à vista ou quando a quitação for feita antes do prazo de vencimento. Desse modo, assegura a entrada de dinheiro no caixa, garantindo a sustentabilidade do negócio.

6. Utilize a tecnologia a seu favor

Evite fazer o controle das contas manualmente. Ao depender de planilhas e documentos impressos, você está sujeito a erros graves.

Utilize a tecnologia a seu favor. Atualmente, há muitas opções de softwares no mercado que dão mais agilidade aos procedimentos, melhorando o controle das notas fiscais, contas a pagar e a receber, controle de estoques, entre outras funcionalidades.

Dessa maneira, o gestor tem maior controle sobre os recursos financeiros e sobre o que acontece na sua empresa.

7. Considere a antecipação de recebíveis

Sempre que possível, o administrador deve tentar conciliar os prazos de pagamento de fornecedores com o recebimento dos clientes para garantir o capital de giro.

Entretanto, é normal que em alguns momentos surjam contas inesperadas em função da quebra de algum equipamento ou outro imprevisto. Nesses casos, pode faltar dinheiro em caixa para cobrir as despesas básicas.

Quando isso ocorre, pode-se fazer o desconto das duplicatas, antecipando os recebíveis. Muitas vezes, é melhor adotar essa alternativa e pagar a taxa de juros, do que entrar no cheque especial e ficar devendo um valor maior. 

Dessa forma, o gestor pode solicitar o adiantamento de alguns valores para garantir recursos em caixa. Como isso funciona?

Entenda o procedimento

Algumas instituições conseguem repassar o valor contido em alguns títulos e, como consequência, cobram tarifas, taxas de juros e IOF — Imposto sobre Operações Financeiras. Logo, quando o cliente pagar uma fatura, a instituição financeira que adiantou o dinheiro receberá o valor, e não a sua empresa.

Vale lembrar que para conseguir esse recurso, o gestor deverá repassar algumas informações sobre o negócio, a fim de conseguir a validação para obtenção do valor.

Essa é uma avaliação simples, que considera possíveis restrições ao nome da empresa, cadastros em listas de devedores e limites de crédito. Vale lembrar que, ao repassar alguma duplicata para a instituição financeira, se o cliente deixar de pagar o valor, quem deve assumir a dívida é a empresa.

Portanto, é necessário avaliar quais as duplicatas que podem ser transferidas para a instituição financeira, apenas com o intuito de manter um bom capital de giro. Ainda, pode-se considerar a possibilidade de solicitar a antecipação do dinheiro quando a empresa não consegue estender o prazo do pagamento de fornecedores.

Por exemplo: um produto X foi vendido para o cliente com prazo de 90 dias para o pagamento, mas o fornecedor exige a quitação do item em até 45 dias. Em uma situação como essa, a antecipação de recebíveis torna-se uma opção para o negócio, a fim de honrar os compromissos.

Pronto! Agora você viu que não é tão complicado controlar o capital de giro para empresas. Aproveite para conhecer as melhores opções para o seu negócio. Entre em contato conosco e entenda como podemos ajudá-lo!

Sobre o autor

Adianta

Deixar comentário.

Share This